jusbrasil.com.br
25 de Junho de 2018
    Adicione tópicos

    STJ nega habeas corpus para impedir extradição de Raul Schmidt para o Brasil

    Defesa do empresário, investigado na Operação Lava Jato, alegou que ele não poderia ser enviado ao país natal por ser cidadão português nato

    Procuradoria Geral da República
    mês passado

    Por maioria de votos, a Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou, nessa quarta-feira (23) Habeas Corpus (HC) solicitado pelo empresário Raul Schmidt para tentar impedir sua extradição para o Brasil. A defesa de Schmidt, que é investigado na Operação Lava Jato, recorreu ao STJ com a argumentação de que, por ser português nato, Raul Schmidt não poderia ser enviado ao Brasil porque não há acordo entre os dois países no caso de extradição de cidadãos natos. Os advogados alegaram que o Ministério da Justiça tem mantido o processo de extradição com base em uma falsa promessa de reciprocidade, com o objetivo de extraditar um português de origem.

    Ao votar, o ministro Relator, Sérgio Kukina, rebateu os pontos levantados e considerou que a atuação das autoridades brasileiras no processo de extradição está de acordo com as leis. Destacou, ainda, que no início do processo de extradição, assim como quando ocorreu o trânsito em julgado do caso, Raul Schmidt era português naturalizado. Segundo o relator, o fato de o empresário ter adquirido nova condição relativa à nacionalidade – ter se tornado cidadão português nato –, em janeiro deste ano, não impede a extradição.

    A decisão seguiu o entendimento do Ministério Público Federal (MPF). Em sustentação oral durante o julgamento, o subprocurador-geral da República Nicolao Dino ressaltou que não houve informação falsa prestada pelo Estado brasileiro. Ele citou documentos trocados entre autoridades portuguesas e brasileiras em que o Brasil informa ser possível a extradição de brasileiros naturalizados em caso de crime comum praticado antes da naturalização, nos termos do artigo 5, inciso 51 da Constituição Federal. Nas correspondências trocadas, mencionou o subprocurador-geral, o governo brasileiro sempre deixou claro que a Constituição brasileira veda a extradição de brasileiros natos. Nicolao Dino frisou que a decisão pela extradição de Raul Schmidt já transitou em julgado em todas as instâncias da Justiça portuguesa, tendo o Tribunal de Relação de Lisboa determinado a entrega do empresário na última sexta-feira. “Isso foi feito com base nas informações precisas repassadas pelas autoridades brasileiras”, ressaltou Dino.

    A sustentação de Nicolao Dino levou em conta também o parecer apresentado pelo MPF da lavra do subprocurador-geral da República Wagner Natal Batista e ainda memoriais do iníco deste mês, formulados pelo subprocurador-geral da república, Francisco de Assis Sanseverino. No documento, ele defende a extradição: “Pode-se afirmar, sem qualquer dúvida, que se mantém a possibilidade de Portugal proceder, imediatamente, a entrega do réu Raul Schmidt ao Brasil, processo de extradição transitado em julgado relativamente a crimes cometidos antes da sua naturalização como cidadão português”. Oito ministros acompanharam o voto do relator, favorável à negativa do HC, e apenas um foi contrário. Os ministros também ressaltaram que caberia à Justiça portuguesa decidir sobre os efeitos da conquista de título de cidadão português.

    Entenda o caso – Além de atuar como operador financeiro, Raul Schmidt também aparece como preposto de empresas internacionais na obtenção de contratos de exploração de plataformas da Petrobras. Sua ocupação profissional era para facilitar os desvios de três ex-diretores da empresa de petróleo brasileira (Duque, Zelada e Cerveró) e há a suspeita que recebeu de propina por seus serviços mais de US$ 200 milhões (US$ 30 milhões na intermediação de um só contrato). É, provavelmente, o fugitivo com maior patrimônio desviado dos cofres públicos brasileiros. Ele foi preso em Portugal, em março de 2016, na primeira fase internacional da Operação Lava Jato. O empresário estava foragido desde julho de 2015. Morou em Londres, onde mantinha uma galeria de arte, mas, após o início da Lava Jato, mudou-se para Portugal, por ter dupla cidadania.

    O pedido de extradição do brasileiro foi julgado pelo Tribunal da Relação de Lisboa, mas Raul Schmidt recorreu ao STJ de Portugal, que confirmou integralmente, em setembro de 2017, a extradição. O brasileiro ajuizou reclamação junto ao STJ português, que novamente indeferiu o pedido. Na tentativa de evitar a extradição, recorreu ao Tribunal Constitucional de Portugal (TCP) que, por decisão sumária, de novembro de 2017, não conheceu o recurso. Um mês depois, a defesa recorreu novamente ao TCP, que confirmou a extradição. Em 9 de janeiro deste ano, o mesmo tribunal indeferiu nova reclamação de Schmidt e confirmou o trânsito em julgado do processo de extradição para o Brasil.

    A decisão do TCP, no entanto, não foi executada porque o Tribunal da Relação de Lisboa suspendeu a emissão do “mandado de desligamento” - documento imprescindível para a entrega às autoridades brasileiras - até a finalização do “recurso de revisão” (espécie de ação rescisória), julgada em abril pelo Supremo Tribunal de Justiça de Portugal.

    Em abril deste ano, Raul Schmidt recorreu ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) para suspender a extradição, alegando que as unidades prisionais brasileiras não cumpriam os padrões mínimos exigidos pela Convenção Europeia dos Direitos do Homem. Para rebater esse recurso, a procuradora-geral da República (PGR), Raquel Dodge, enviou às autoridades portuguesas ofício reafirmando o compromisso do Estado brasileiro de garantir e respeitar os direitos fundamentais de Raul Schmidt, argumento que foi aceito pelo tribunal europeu.













    Secretaria de Comunicação Social
    Procuradoria-Geral da República
    (61) 3105-6406 / 6415
    pgr-imprensa@mpf.mp.br
    facebook.com/MPFederal
    twitter.com/mpf_pgr

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)